Tudo o que vem com esforço é muito mais valioso.   Neste mundo onde predominam várias injustiças, o mérito é muitas vezes posto de part...

Elder, os anciãos bem dispostos numa noite de neblina no Porto


Tudo o que vem com esforço é muito mais valioso. Neste mundo onde predominam várias injustiças, o mérito é muitas vezes posto de parte e muitos dos que alcançam projecção conseguem-na por outras razões. Felizmente, não é o que acontece com os Elder. A técnica que flui daquelas guitarras, força motriz da banda, não é aleatória, mas reflexo de muito tempo dedicado a explorar acordes, escalas e contratempos.

Estradas, estúdios, palcos, a vontade de quem quer fazer disto vida, são certamente os grandes desafios que esta banda tem enfrentado para que mais pessoas possam imergir neste mar, ora brando, ora tempestuoso. A identidade desta banda, oriunda de uma pequena cidade da costa de Massachusetts, caracteriza-se, essencialmente, por ambientes atmosféricos e progressivos. O som destes anciãos encaixa que nem luva numa noite de Verão, mas nesta a atmosfera é diferente, há neblina no exterior que não é impedimento para que a chama se acenda, assim que Nick DiSalvo calca o Bif Muff.


Nick DiSalvo é já por si uma figura carismática. Chamam a atenção os cabelos cor pérola que exprimem liberdade assim que solta riffs pujantes. Pouco ou nada se iguala a um corpo que se liberta pelo embate das ondas sonoras. O líder da banda domina escalas com os seus dedos longos e não é novidade que dedos longos facilitam o domínio das escalas. Não é por isso que o jovem bem parecido se deixa levar facilmente pelo abuso de virtuosismos bacocos para mostrar o quanto sabe tocar, apresenta, também, o outro lado, o do punk/hardcore que toca na emoção, causando boa disposição, essa panaceia de todos os males. Afinal de contas não é de uma masterclass que se trata este concerto...



Reflections of a Floating World não se ouve a decibéis além limite nas roadtrips com amigos, desta vez é ouvido no centro do rock do Porto, no HardClub. Nick solta o riff de Sanctuary e canta-se em uníssono:

Deception is the book of faith
Silence is the only embrace
We walk the land without a choice
Screaming as though we have a voice
Sanctuary, Sanctuary

Sem dúvida uma canção com sentido de pertença que quebrou a saudade vivida naquela noite de Verão no SonicBlast Moledo, no ano passado, naquele concerto em que não se sentiu o tempo a passar e perpetuou o desejo do regresso.



Vêem-se mãos no ar. O público declara saudades do stoner/doom/rock mais presente em Dead Roots Stirring, assumidamente influência directa de Colour Haze - banda que marcou presença ainda este ano neste mesmo espaço. A bateria bem marcada de Matt Couto, que lembra o jeito Robby Staebler, abre caminho para guitarras que se movem nas camadas harmoniosas. Sente-se a catarse que faz esquecer uma vida cheia de problemas.



Com mais de 10 anos de experiência, confirmam-se uns Elder mais coesos, com identidade firmada num género que outrora se via pouco definido. Com a presença de Mike Risberg nos palcos, sente-se a força das guitarras que de outra forma poderiam ficar aquém se ficasse apenas pela mão de Nick. A voz, enquanto elemento secundário, não serve de base para a composição, é apenas um detalhe importante que marca a diferença na identidade sónica da banda, tal como o órgão tocado por Mike Risberg.



Mais cedo, os portugueses Vircator, preencheram a primeira parte e encontram-se a preparar o sucessor de Sar-i-Sang. Fecharam o concerto com o novo tema Lady Fern que será incluído no próximo trabalho.


Sente-se a antecipação no ar. Vêem-se vinis de Reflections of a Floating World no chão da sala. Os técnicos organizam o palco para o concerto tão aguardado. Acompanhado pela banda entra Scott Heller AKA Dr. Space, com a sua caixa de sintetizadores analógicos. A meio do concerto, Dr. Space leva-nos para lá do planeta Terra, acompanhando o tema III e, num momento em que o ambiente fica mais agitado, eis que chega a hora para a meditação cósmica. Quebrado o momento de introspecção, Conpendium desperta no público a agitação dos que aguardavam pelo tema. Lá fora há neblina que humedece a cidade, mas estes Elder moveram uma sala que jamais se fez fria.










TEXTO: PRISCILLA FONTOURA
IMAGENS: PRISCILLA FONTOURA, SOPHIA PETRA
LOCAL: HARDCLUB, Porto
DATA: 11 de Novembro, 2018
CONCERTOS: VIRCATORELDER
PROMOTORA: Garboyl Lives