Há bandas que conseguem fundir no seu som diversos géneros, mantendo na mesma uma independência de rótulos. Não se conseguem classifica...


Há bandas que conseguem fundir no seu som diversos géneros, mantendo na mesma uma independência de rótulos. Não se conseguem classificar facilmente. É assim com Helium Horse Fly, uma banda belga de Liège. Formaram-se em 2009 e contam com dois registos de originais, o primeiro homónimo editado em 2013 e o mais recente editado em 2019 - Hollowed - sobre o qual já escrevemos aqui no site.

O disco homónimo tem uma abordagem bastante vanguardista e experimental com elementos de post-metal, art-rock e math rock. Existe uma certa melancolia que por vezes se desnorteia em explosões rítmicas para logo depois se acalmar com passagens atmosféricas de guitarra. Um disco de estreia que já se revelava bastante promissor de uma banda que solidificou e fortaleceu ainda mais o seu som com Hollowed, editado no começo deste ano.

Com dois trabalhos fortes e intensos, tivemos de perguntar a esta banda as suas escolhas para 5 livros, 5 discos, 5 filmes/séries e eis:

Marie Billy (Voz)
Livros:
- Moi qui n’ai pas Connu les Hommes, Jacqueline Harpman
- Le diable, tout le Temps, Donald Ray Pollock
- Crime et Châtiment, Dostoïevski
- L’amie prodigieuse, Elena Ferrante
- L’enchanteur, Barjavel

Discos:
- Dreams and Daggers, Cécile McLorin Salvant
- Golden Shroud, Rose Kemp
- Secular Works, Extra Life
- Concerto pour violon N°1 de Chostakovitch, Hilary Hahn
- The Dresden Dolls, The Dresden Dolls

Movies/TV Shows
- The Wire, David Simon
- The Sopranos, David Chase
- American Beauty, Sam Mendes
- Apocalypse Now, Francis Ford Coppola
- Festen, Thomas Vinterberg

Stéphane Dupont (guitarra)
Livros:
- L’automne à Pékin, Boris Vian
- Alice, Lewis Caroll
- L’insoutenable légèreté de l’être, Milan Kundera
- Des hommes sans femmes, Haruki Murakami
- La vraie vie, Adeline Dieudonné

Discos:
- Secular Works, Extra Life
- Choirs of the Eye, Kayo Dot
- Rock Bottom, Robert Wyatt
- Kid A, Radiohead
- You (Radio Gnome Invisible Pt 3), Gong

Filmes/Séries:
- The Wire, David Simon
- Inside n°9
- Battlestar Galactica, Glen A. Larson, Ronald D. Moore
- Fleabag, Phoebe Waller-Bridge
- Over the Garden Wall, Katie Krentz, Patrock McHale

Dimitri Iannello (Baixo)
Livros:
- Le Seigneur des Anneaux, J. R. R. Tolkien
- En Attendant Godot, Samuel Beckett
- Le Manifeste du Surréalisme, André Breton
- Le Nom de la Rose, Umbert Eco
- Le Chevalier Inexistant, Italo Calvino

Discos:
- Discipline, King Crimson
- Rock Bottom, Robert Wyatt
- Loveless, My Bloody Valentine
- Blue Train, John Coltrane
- Friend Opportunity, Deerhoof

Filmes/Séries:
- Game of Thrones, David Benioff, D.B. Weiss
- Oz, Tom Fontana
- Futurama, Matt Groening
- Mulholland Drive, David Lynch
- Eternal Sunshine of the Spotless Mind, Michel Gondry

Gil Chevigné (Bateria)
Discos:
- Turn on the bright light, Interpol
- The Social Network, Trent Reznor & Atticus Ross
- Fever Ray, Fever Ray
- Somewhere Along The Highway, Cult Of Luna
- Coffins on Lo, Kayo Dot

Livros:
- La Prophétie des Andes, James Redfield
- Conversation avec Dieu, Neale Donald Walsch
- Vacances dans le coma, Frederic Beigbeder
- De l’inconvénient d’être né, Cioran
- Brume, Stephen King

Filmes/Séries:
- Millenium ‐ The Girl With A Dragon Tattoo, David Fincher
- Breaking Bad, Vince Gilligan
- Shining, Stanley Kubrick
- Lost in Translation, Sofia Coppola
- Shawshank Redemption, Frank Darabont

- TRANSLATION - 

There are bands that can blend many genres within their sound, but at the same time maintain a certain independence devoided of labels. They can’t be classified that easily. That's what happens with Helium Horse Fly, a Belgium band from Liège. The band was formed in 2009 and they have released two records, the first one in 2013 and the more recent one in 2019 – Hollowed – that we already reviewed on this website.

The first record has a very avant-garde and experimental approach and blend elements of post-metal, art-rock and math-rock. There is a melancholy that sometimes erupts in rhythmic explosions and then soothes in calm atmospheric guitar passages. A debut record that was very promising and that solidified and fortified their sound in their latest record - Hollowed - released at the beginning of this year. 

With two strong and intense releases we had to ask the band about their choices for 5 books, 5 records, 5 films/TV series and here they are:

Marie Billy (Voz)
Records:
- Dreams and Daggers, Cécile McLorin Salvant
- Golden Shroud, Rose Kemp
- Secular Works, Extra Life
- Concerto pour violon N°1 de Chostakovitch, Hilary Hahn
- The Dresden Dolls, The Dresden Dolls

Books:
- Moi qui n’ai pas connu les hommes, Jacqueline Harpman
- Le diable, tout le temps, Donald Ray Pollock
- Crime et Châtiment, Dostoïevski
- L’amie prodigieuse, Elena Ferrante
- L’enchanteur, Barjavel

Movies/TV Shows:
The Wire, David Simon
The Sopranos, David Chase
American Beauty, Sam Mendes
Apocalypse Now, Francis Ford Coppola
Festen, Thomas Vinterberg

Stéphane Dupont (Guitar)
Discos:
- Secular Works, Extra Life
- Choirs of the Eye, Kayo Dot
- Rock Bottom, Robert Wyatt
- Kid A, Radiohead
- You (Radio Gnome Invisible Pt 3), Gong

Livros:
- L’automne à Pékin, Boris Vian
- Alice, Lewis Caroll
- L’insoutenable légèreté de l’être, Milan Kundera
- Des hommes sans femmes, Haruki Murakami
- La vraie vie, Adeline Dieudonné

Filmes/Séries:
The Wire, David Simon
Inside n°9
Battlestar Galactica, Glen A. Larson, Ronald D. Moore
Fleabag, Phoebe Waller-Bridge
Over the Garden Wall, Katie Krentz, Patrock McHale

Dimitri Iannello (Bass)
Records:
- Discipline, King Crimson
- Rock Bottom, Robert Wyatt
- Loveless, My Bloody Valentine
- Blue Train, John Coltrane
- Friend Opportunity, Deerhoof

Books:
Le Seigneur des Anneaux, J. R. R. Tolkien
En Attendant Godot, Samuel Beckett
Le Manifeste du Surréalisme, André Breton
Le Nom de la Rose, Umbert Eco
Le Chevalier Inexistant, Italo Calvino

Films/TV Shows:
Game of Thrones, David Benioff, D.B. Weiss
OzTom Fontana
Futurama, Matt Groening
Mulholland DriveDavid Lynch
Eternal Sunshine of the Spotless Mind, Michel Gondry

Gil Chevigné (Drums)
Records:
- Turn on the bright light, Interpol
- The Social Network, Trent Reznor & Atticus Ross
- Fever Ray, Fever Ray
- Somewhere Along The Highway, Cult Of Luna
- Coffins on lo, Kayo Dot

Books:
- La Prophétie des Andes, James Redfield
- Conversation avec Dieu, Neale Donald Walsch
- Vacances dans le coma, Frederic Beigbeder
- De l’inconvénient d’être né, Cioran
- Brume, Stephen King

Films/TV Shows:
Millenium ‐ The Girl With A Dragon Tattoo, David Fincher
Breaking Bad, Vince Gilligan
Shining, Stanley Kubrick
Lost in Translation, Sofia Coppola
Shawshank Redemption, Frank Darabont

Texto | Text: Cláudia Zafre
Escolhas | Choices: Helium Horse Fly

Assim como o reggae oferece boas vibrações e optimismo com mensagens positivas de união entre os homens, também este documentário tem...


Assim como o reggae oferece boas vibrações e optimismo com mensagens positivas de união entre os homens, também este documentário tem um clima fílmico acolhedor, reconfortante e acima de tudo, poético.

O filme começa com imagens cativantes pela sua beleza de Cockpit Country na Jamaica , para em seguida, assistirmos a trechos do funeral de Bob Marley que atraiu inúmeros fãs e seguidores da sua música e mensagem.


Há entrevistas a Gregory Isaacs e poetas jamaicanos, mas todas elas fluem harmoniosamente e sem qualquer dose de artificialismo. Discorrem sobre a importância social e humanitária da música reggae, assim como algumas mensagens do Rastafarianismo.


Este documentário realizado por Alan Greenberg seria inicialmente apenas sobre o funeral de Bob Marley, mas tornou-se um registo audiovisual da cultura jamaicana, encapsulando na perfeição o espírito Rastafariano, a cultura da ilha e o poder transformativo da música reggae.

O documentário é tido em grande conta por dois realizadores de peso, Werner Herzog que considerou o documentário inovador e único na história do cinema, e Jim Jarmusch que o considera lindíssimo e perto da perfeição.

Visualmente poético e sonoramente rico e diverso, Land of Look behind continua a ser um dos documentários mais estimulantes da década de 80 e além.

Texto: Cláudia Zafre 
Imagens: Frames do doc. Land of the Look Behind 

JAZZBRUNCH - Jazzbrunch Music is a dynamic and vivacious creature, one whose evolution and motions do not cease to amaze us. In or...

JAZZBRUNCH - Jazzbrunch


Music is a dynamic and vivacious creature, one whose evolution and motions do not cease to amaze us. In or out of every genre there are myriads of bands, projects, musicians, artists of every kind and temperament, so it’s always refreshing when we encounter a new and fresh project that encompasses originality, creativity and tons of emotion. Such is the case with Jazzbruch, a newly formed project from Sweden with members from several outfits like Vi Som Alskade, Varandra Sa Mycket and Totem Skin. 


The EP features two songs, Idiocracy and An Invitation to an Enormous Disappointment and they are absolutely colossal and beautiful. 

Idiocracy starts us off with a languished echoed guitar and some powerful riffs that tease us to what comes next and that is total demolition. With vocals that sound like some vengeful and wrecked spirit from the ether and a brazen but haunting piano, the melody takes its turns without being the least bit predictable. The song also has an official videoclip that is extremely interesting and with a home-made movie kind of aesthetics. 

An Invitation to an Enormous Disappointment surprises us with a light vibe at the beginning before evolving into something much more omnious. 

It’s rather hard to classify the band. It’s a sound that mixes in post-metal, post-hardcore and screamo and their obvious and not so obvious influences creating a sound that makes the EP as intriguing as it is dark and powerful. 

We want to hear more from Jazzbrunch

TRÖPICAL ICE LAND – D


Some sonic landscapes can transport us to other places and realities, that can be mysterious, beautiful but at the same time crushing and menacing at times. In comes Tröpical Ice Land to give us a ride that is haunting, cinematic and energetic. The band from Spain comes in full force with their fourth LP packing six songs that are as diverse as they are captivating.


The harmony, melancholy and cinematographic qualities of post-rock intertwine beautifully with the edgier and raw side of screamo, creating a blend of sound that is delicate and brutal at the same time. 

It has the quality to crush us and make us be born anew amidst the ruins and chaos of our former wasted emotions. It’s the perfect soundtrack for these summer days when you can feel a bit melancholic but, in a way, still hopeful for a better tomorrow. 

CARRION SPRING – Carrion Spring



The chemistry between hardcore and screamo has been for years a very powerful one and one proof of that is Carrion Spring that released their last LP, also titled Carrion Spring. Formed in 2008, the band have an extensive and rich career and its members with experience in other bands such as Kidcrash, Wild Guess and Said Goner.


The LP is filled with thirteen songs that are delicately woven together by acoustic and other interludes. Times of quiet mixed with disquiet are crafted perfectly all along the record. 

There are a couple of standouts like False Dichotomy (Fuck the Bourgeoisie) with its serpentine riffing and gutsy vocals. God Damage and International Adult Conspiracy are very energic tracks that can cause a severe case of headbanging. 

A very cohesive release that will please hardcore and screamo fans alike. 

All the records are available at Zegema Beach's bandcamp and online store.


TEXT: CLÁUDIA ZAFRE

Este verão tem sido imprevisível, dias de chuvas que precedem outros de calor intenso e céu azul. Clima de tempestade e invernia que p...


Este verão tem sido imprevisível, dias de chuvas que precedem outros de calor intenso e céu azul. Clima de tempestade e invernia que precede um mais tropical que convida a dias na praia até o sol se recolher. Nada é estacionário ou aborrecido no verão. Este mês compilámos uma playlist para vos acompanhar nestes dias traquinas de verão. 

Adicionámos as bandas que gentilmente nos ofereceram as suas bagagens e o eclectismo é uma das palavras-chave.

Viajamos no experimentalismo ritmado dos Beak>, o post-metal demolidor e catchy dos Brutus, a exuberância e diferença dos Actionesse, o post-rock denso dos Juseph, a criatividade imparável dos The Residents, as camadas electrónicas e ricas de Indi, a progressão rock dos conjunto!evite, os ritmos cativantes dos Simulators, os riffs viciantes dos Odd Bounds, a tranquilidade e beleza dos ritmos solares dos Too Many Suns, o esoterismo brilhante das Rakta e para finalizar o noise rock demolidor dos Chat Pile.

Uma playlist diversa para preencher este mês de Agosto.

INDI 

Texto: Cláudia Zafre

imagem de: Anders Carlström e Jakob Berglund (2018) O lado mais negro das nossas emoções, o nosso lado sombra deu origem ao longo d...

imagem de: Anders Carlström e Jakob Berglund (2018)

O lado mais negro das nossas emoções, o nosso lado sombra deu origem ao longo dos séculos a inúmeras obras de beleza incontestável. São essas emoções, das quais muitas vezes tentamos fugir, recalcar, ignorar ou esconder, que provam ser um dos melhores veículos criativos. Obras soturnas, melancólicas, trágicas que nos comovem e mostram que outros tiveram experiências semelhantes às nossas e que não estamos sozinhos, nunca estivemos nem vamos estar.

A Swarm of the Sun é uma banda sueca que editou recentemente o seu terceiro LP de originais intitulado The Woods composto por três temas de duração acima dos dez minutos que nos envolvem e fazem caminhar por paisagens em ruínas, particularmente pós-apocalípticas num jogo misto de luzes e sombras.

Apesar da melancolia evidente, existem passagens verdadeiramente majestosas que nos dão sentimentos de esperança e reconstrução emocional. Passagens ora calmas, ora mais tempestuosas, criam um mosaico de post-rock e sludge atmosférico que nos convidam a mergulhar nos recessos do nosso imaginário visual. The Woods é cinemático.

Fascinados por The Woods perguntámos ao duo composto por Jakob Berglund (voz) e Erik Nilsson (guitarra/piano), as suas preferências para 5 livros, 5 discos, 5 filmes/séries e aqui estão elas:

Livros (Jakob):
- Doktor Glas, Hjalmar Söderberg
- The Little Friend, Donna Tartt
- Dvärgen, Pär Lagerkvist
- What I Talk About When I Talk About Running, Haruki Murakami
- Kallocain, Karin Boye

Discos (Jakob):
- The Downward Spiral, Nine Inch Nails
- Come On Die Young, Mogwai
- Trust, Low
- The Hours OST, Philip Glass
- Substrata, Biosphere

Filmes (Jakob):
- Inland Empire, David Lynch
- The Shining, Stanley Kubrick
- Wuthering Heights, Andrea Arnold
- Orlando, Sally Potter
- Dog Star Man, Stan Brakhage

Livros: (Erik)
N/A

Discos: (Erik)
- The Fountain OST, Clint Mansell
- A Sunset Panorama, Logh
- Frengers, Mew
- The Downward Spiral, Nine Inch Nails
- Born Into Trouble As The Sparks Fly Upward, A Silver Mt. Zion

Filmes: (Erik)
- Rosemary's Baby, Roman Polanski
- The Shining, Stanley Kubrick
- Alien, Ridley Scott
- Room, Lenny Abrahamson
- King of Kong, Seth Gordon


- TRANSLATION -  

The Woods album cover

The darkest side of our emotions, our shadow side has during the centuries giving birth to countless works of unquestionable beauty. It’s those emotions that we seldom run from, ignore or hide that prove to be one of the best creative vessels. Works that are grim, melancholic, tragic that touch us and show us that others have had similar experiences to our own and that we are not alone, never were and never will be.

A Swarm of The Sun is a Swedish band that recently released their third LP called The Woods comprised of three songs with duration above ten minutes that envelop us and make us walk through ruined landscapes, particularly post-apocalyptic in a game of lights and shadows.

Despite the evident melancholy, there are truly majestic passages that give us feeling of hope and emotional reconstruction. Passages that are either calm or tempestuous create a mosaic of post-rock and atmospheric sludge that invite us to dive in the hidden recesses of our visual imaginary. The Woods is cinematic.

Fascinated by The Woods we asked the duo formed by Jakob Berglund (vocals) and Erik Nilsson (guitar and piano) they preferences for 5 books, 5 records, 5 films/TV shows and here they are:

Books: (Jakob)
- Doktor Glas, Hjalmar Söderberg
- The Little Friend, Donna Tartt
- Dvärgen, Pär Lagerkvist
- What I Talk About When I Talk About Running, Haruki Murakami
- Kallocain, Karin Boye

Records: (Jakob)
- The Downward Spiral, Nine Inch Nails
- Come On Die Young, Mogwai
- Trust, Low
- The Hours OST, Philip Glass
- Substrata, Biosphere

Films: (Jakob)
- Inland Empire, David Lynch
- The Shining, Stanley Kubrick
- Wuthering Heights, Andrea Arnold
- Orlando, Sally Potter
- Dog Star Man, Stan Brakhage

Books: (Erik)
N/A

Records: (Erik)
- The Fountain OST, Clint Mansell
- A Sunset Panorama, Logh
- Frengers, Mew
- The Downward Spiral, Nine Inch Nails
- Born Into Trouble As The Sparks Fly Upward, A Silver Mt. Zion

Films: (Erik)
- Rosemary's Baby, Roman Polanski
- The Shining, Stanley Kubrick- Alien, Ridley Scott
- Room, Lenny Abrahamson
- King of Kong, Seth Gordon 

Texto | Text: Cláudia Zafre
Tradução | Translation: Cláudia Zafre
Escolhas | Choices: Jakob Berglund & Erik Nilsson (A Swarm Of The Sun)

Em Moledo há muito que fazer nas horas mortas, tocar guitarra, andar de baloiço, confraternizar com amigos que já não se vêem há muito...


Em Moledo há muito que fazer nas horas mortas, tocar guitarra, andar de baloiço, confraternizar com amigos que já não se vêem há muito, ir à praia, dar mergulhos na piscina, visitar a área reservada ao merchandising. Enquanto no último dia os Giobiä encerram o palco da piscina, no final da tarde os Toundra fazem os últimos ajustes de som para iniciarem o concerto no palco principal.






Giöbia






Já no palco principal os espanhóis Toundra depositaram no ambiente toda a explosão ambígua de sentimentos e sensações presentes na música que fazem. Empolgados e receptivos ao vasto grupo de fãs que já os aguardava, fizeram uma sincera transmissão directa do poder que é tocar ao vivo, mostrando uma das capacidades que a música tem, a de transformar e expandir tudo o que vai na alma, daquilo que se pretende dizer sem recorrer à palavra. Um concerto melodicamente enérgico, carregado de paisagem visual e sonora. Tocaram alguns dos temas do quinto álbum que saiu ano passado intitulado Vortex, sem esquecerem de outros mais antigos como Bizancio. A equipa do Acordes brevemente disponibilizará a conversa que teve com este grupo bem disposto.






Toundra









Toundra

Eis que chega o concerto mais aguardado. O público silenciou. Alguém avista Lichens (Robert Lowe)? Começa o acorde do baixo do Gethsemane e os olhos humedeceram para logo o corpo ser levado até este jardim, o jardim de Gethsemane que se localiza no centro do oriente, onde o silêncio e o sofrimento coabitam. Estava-se prestes a assistir a uma cerimónia litúrgica a céu aberto com os temas que caminham em busca da realização espiritual, sem um dogma definido. O espírito abre-se a qualquer fé, seja monoteísta, seja politeísta, o que interessa é o caminho. Nesse percurso encontram-se várias figuras bíblicas: Nicodemos, Ezequiel, o rei Melquisedeque, João Baptista, Lázaro. As letras são de reflexão pura e dura com o comando magistral do baixo de Cisneros e canto Bizantino. A bateria, metronomicamente com identidade de Emil, encaixa na perfeição. Sempre na intensidade certa com os crescentes rufares, batidas frenéticas nos pratos e silêncios contemplativos. Aqui o baixo e a bateria mantêm um diálogo/namoro permanente e são acrescentadas camadas de samples influenciadas no médio e extremo oriente. Foi para estes lados que viajámos. O sintetizador, guitarra, pandeireta e a tanpura ficaram a cargo de Tyler Trotter que permaneceu concentrado nos seus pensamentos e sensibilidade musical. O concerto de Om torna-nos viajantes solitários e deixa-nos num estado de não retorno, perdidos em civilizações carregadas de história e ensinamentos filosóficos. Todo o concerto foi alimento para o espírito, seja ele ortodoxo ou não. 
As orações foram as seguintes: State of Non-Return, Sinai, Cremation Ghat I & II, Meditation is the Practice of Death, Bhima’s Theme

Neste contexto, a música é o caminho para uma elevação espiritual; há uns que em peregrinação vão a Meca, Jerusalém, Medina, Santiago de Compostela para encerrar uma promessa, e há quem na sua solitude encontre a mais bela das expressões e a mais profunda, a música, essa deusa, que, também, luta contra as suas batalhas interiores.






OM

Esta edição do SonicBlast Moledo fecha com os suecos Domkraft. Como em qualquer festival familiar, a celebração é sempre feita num ambiente de festa. Nestes três dias, viveu-se um espírito heterogéneo e de entre-ajuda que não esquece a sua origem, mantendo-se fiel aos seus princípios e crescendo gradualmente sem querer dar o passo maior que a perna. Definitivamente, as condições meteorológicas não foram impedimento para que os peregrinos dos vários cantos se encontrassem neste epicentro. Verdade seja dita, esta chuva veio para abençoar. Que venha a próxima edição com saúde. 



Domkraft

Texto: SP
Imagem: Rui Mota Pinto
Concertos: Giöbia,Toundra, Om, 
Domkraft
Data: 10 de Agosto de 2019
Locais: Moledo
Festival: SonicBlast Moledo 2019

No último dia do festival, o Sol estava mais brilhante que nunca. Tudo voltou à normalidade conforme os anos anteriores: o palco da pis...


No último dia do festival, o Sol estava mais brilhante que nunca. Tudo voltou à normalidade conforme os anos anteriores: o palco da piscina estava preparado para receber os músicos. Actuaram Here the Captain Speaking, the Captain is Dead. Um concerto que transportou para outras galáxias e contagiou pelo magnetismo musical do quarteto de space rock espanhol.




Here the Captain Speaking the Captain is Dead





Maggot Heart, banda formada pela sueca Linnéa Olsson, a dupla Cardiel e os italianos interplanetários Giöbia encerraram a primeira sessão de concertos numa derradeira ode ao universo.





Maggot Heart














Maggot Heart

Texto: SP
Imagem: Rui Mota Pinto
Concertos: Here the Captain Speaking The Captain is Dead, Maggot Heart

Data: 10 de Agosto de 2019
Locais: Moledo
Festival: SonicBlast Moledo 2019